Explorando o Terra Madre Salone del Gusto

15 Giugno 2022

No centro desta edição, além do mercado internacional e das inúmeras oficinas e atividades, haverá três espaços, representando as áreas de trabalho do Slow Food, que oferecerão ao público a oportunidade de trocar ideias, compartilhar projetos e descobrir qual o significado da Regeneração para o Slow Food, no mundo inteiro.

Biodiversidade

A abordagem Slow Food à biodiversidade começa a partir dos alimentos, e inclui a diversidade cultural, os saberes tradicionais e o trabalho das comunidades nas áreas rurais. No Terra Madre Salone del Gusto, a biodiversidade ocupa um lugar central num espaço dedicado a três cadeias de abastecimento que têm um significado particular no que se refere à regeneração. Antes de tudo cereais, pão e farinha, símbolo de uma regeneração social. O pão, em particular, representa uma forte declaração política. Com a guerra na Ucrânia – um dos maiores celeiros do mundo – e o fim das exportações, mais de 50 países correm o risco de uma escassez inédita de grãos e farinha. A guerra colocou a segurança alimentar mundial em perigo, agravando ainda mais uma situação que já era dramática devido à crise climática.

Os visitantes poderão descobrir então o mundo das leguminosas, para enfrentar a regeneração ambiental: um alimento simples e humilde, que nem sempre expressa seu enorme potencial. Hoje em dia, é dada mais atenção a estas plantas extraordinárias, e a todas suas propriedades benéficas tanto para nós quanto para o meio ambiente. As leguminosas não têm apenas alto valor nutricional, também são importantes para a fertilidade do solo, por sua capacidade de fixação do nitrogênio.

E, por fim, as castanhas e frutos silvestres ajudam a falar sobre regeneração das florestas: As castanhas são um recurso importante para as áreas de montanha e para o ecossistema das colinas. As castanhas preservam a integridade ecológica da paisagem, protegem o solo, conservam o patrimônio florestal e capturam o dióxido de carbono.

Educação

O Slow Food sempre tentou adotar uma abordagem inovadora à educação alimentar e do gosto, despertando os sentidos e treinando-os para reconhecer vários aspectos de nossos alimentos, do campo ao prato. No Terra Madre, os delegados compartilham conhecimentos por meio de seus projetos e experiências, enquanto crianças e famílias podem participar de oficinas e atividades para aprender mais sobre o solo. Em parceria com o Jardim Botânico de Turim, o Slow Food está preparando uma horta em forma de mandala, que também será a porta de entrada para a Ilha da Educação: não há lugar que possa nos ensinar mais sobre alimentos. A horta-mandala representará uma horta sinérgica, uma horta urbana, um canteiro de flores em permacultura e, no centro, uma floresta comestível!

Advocacia

Advocacia e ativismo sempre foram um dos pilares da atividade do Slow Food, e o movimento tenta constantemente moldar a opinião pública, chamando a atenção para temas que agora estão sendo considerados pelos governos, em particular no que diz respeito à ligação entre produção de alimentos e meio ambiente. Neste espaço, os visitantes poderão descobrir as campanhas de advocacia do Slow Food sobre diferentes temas: da defesa dos insetos polinizadores até a necessidade de manter a regulamentação dos novos OGMs na Europa. Os visitantes também serão convidados a participar de oficinas criativas organizadas pela Slow Food Youth Network.